No dia 21 de abril é comemorado o Dia Mundial da Criatividade – DMC reconhecido pela Organização das Nações Unidas – ONU desde 2017. Aqui no Brasil começamos a celebrar a Criatividade em 2014 por iniciativa do psicólogo Lucas Foster.

 

A partir de 2018, também por meio do Lucas, este dia passou a atingir um escala de 50 cidades em quatro países ao redor do mundo, são estes os dados de 2019, passando por Portugal, Brasil, Índia e Sérvia, com aproximadamente 22.400 participantes inscritos.

 

 

Os conteúdos trazidos passam por algum tipo de talento, conhecimento, descobertas, cultura, habilidades, conexão, experiência, curiosidade, arte, ciência, esperança, imaginação, ou seja, uma alternatividade possível e ilimitada de impactar por meio de quem se inscreve especificamente para dividir as experiências e recebe o título de “inspirador”.

 

Os líderes de cada cidades têm um papel fundamental para fomentar o evento. Eu, Carol, participei da edição na cidade de Florianópolis/SC e nosso líder é o Alex Lima que não mediu nenhum esforço para reunir uma galera cheia de vontade para cocriar o evento.

 

Ao tempo de toda essa cocriação com várias reuniões que nos proporcionaram insights e trocas muito significativas, tivemos que deixar de lado um modelo “tradicional” por assim dizer e hackear o evento como já estávamos planejando.

 

Na essência o DMC de Floripa seria totalmente diferente da edição de 2019, que já havia engajando bastante gente no SEBRAE de Santa Catarina. Nós tínhamos alguns anfitriões que nos cederam espaço, mas decorrente do cenário do COVID-19 foi necessário repensar todo o movimento no mundo inteiro.

 

A meta do DMC em 2020 era impactar mais de 250 cidades espalhadas por 20 países nos dias 21 e 22 de abril. Até o tempo da publicação deste post não foi divulgado nenhum dado oficial, mas pelo modelo do evento ter sido repensado para uma plataforma online onde o inspirador pudesse cadastrar um vídeo ou entrar ao vivo para compartilhar seu conteúdo, eu particularmente acredito que seremos todos surpreendidos com a proporção que o evento acabou tomando.

 

 

Na minha opinião houve a verticalização de mobilização do evento além do esperado e ao tempo que todos estes vídeos puderem serem disponibilizados conseguiremos contribuir de uma forma ainda mais significativa a todos que se interessarem.

 

Minha participação foi com o tema “Legal Design: qual o propósito na visão do usuário?” e a proposta justamente foi de apresentar as facilitações que são disponibilizadas ao usuário com a mesma inteligência do User Experience junto as ferramentas do Legal Design.

 

 

Foi uma experiência muito importante e a discussão do tema gerou bastante interesse para quem teve a oportunidade de acompanhar a minha live. Por esse motivo vocês irão encontrar por aqui e nas mídias sociais alguns materiais futuros sobre o Legal Design com as mesmas métricas que ele se propõe para colocar o fim das velhas ideias (Design Thinking), sendo mais utilizável, útil e engajador junto de muita criatividade que é umas das habilidade mais necessárias.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *